Anúncios

Pequenas patas felpudas
no branco da farinha…

Glissando ataques
com ranhuras no tempo
pronunciando falhas
intáctas reverberações.

Incitando ventos
bradando fungos
guilhotinando egos.

Espumas impostas
culminando densas
contorcendo mistas
caminhando minhas.

As suas urnam vias
me inauguram duas
beijando o incentivo
dúbias as ascenções.

Quem me dá forma
é quadrado o tanto
quanto mais será
próprio do fim
sinistra de
equação.

Como um cuspe dentro do ouvido
rastejar de pequenas patas na pele
incisão precisa e ácida em fluidos
raspagem dos tecidos sensíveis.

Ardendo os olhos em áspera sensação
ferindo as retinas que lacrimejam sal
cristais brotando sob os tecidos vivos.

Tenebrosa sessão de carnificina bruta
esgotamento nervoso tangendo a cabo
multilação estúpida dilacerando carne.

O bezouro devora sua proteica larva.

Polindo as figuras do passado
em circular abraço a si mesmo
sendo a maravilha do outro
colhendo louros no musgo.

Quebrando todas as correntes
esquecendo os pré-defeitos
superando o super-homem
mastigando chumbo.

Cantarolando filosofia
improvisando em álgebra
desmantelando o átomo.

Meu cadarço já se desgarçou
minha palmilha atravessada
meu dedão encardido e gordo.

De soberba canhestra
pormenorizado aquém
contorcido aos recalques
na sombra do estalado.

De rebarba bojo
acomedido de  sonhos
compartilhando vontade
escarafunchando partidos.

Algemado em cacos soltos
distorcido no drama opaco
mazelas faciais contornando.

Perdendo os intuitos seletos
algomerado de conjunções
destemido involuntário.

Explodindo em lançamento
cauterizando articulações
dobrando os temores
amargando dívidas.

Filantropia sarcástica
conservação destrutiva
impossibilitando reabilitação.

Tracejando borbulhas
perfurando agudo
ativando as telas
marcando tom.

Estilhaços dispostos
nervos friccionando
fagulhas de memória.

No sobe e desce das agulhas
diárias incursões no mundo
resplandecendo em dados
estatísticas da inquietação.

Que traga do gás do mundo
inalando o tormento alheio
tossindo em intenso pavor
como quem perde o vento.

Às moscas em desalento
pleno  abandono capital
aonde vão os valores.

Quem advinha o fluxo
e se aceita na queda
aonde vão os versos.

Sentado frente a tela
dando vazão aos sonhos
pelos dedos nas teclas.

Sendo algo em dígitos
compondo em códigos
de arranjos em versos.

Mais um conectado
ao descaso mundial
virtual sociedade
de delírios digitais.

Outro expoente vertical
no oceano desforme
Avatar consensual
na base do cone.

Um palmada na fuça
em dígitos pontiagudos
algarismos cortantes
valores afiadíssimos.

Contando fluentemente
sem travas de segurança
conflitos de linguagem
semântica bélica.

Ávidos desejos mentais
possibilidades atuais
conexão voraz.

Singela contenção de caos
formando espetos
em palavras surdas.

O senso da saudade
a calma pelo jeitoso
beirando o desconsolo
catalisado em cheiros.

Diminutos sinais
acobertando a mão
um anel de papelão
unha roçando pele.

Poros costurando
pulsando a casca
deixa sair o duto.

Vela à calmaria
mastro sentido
deleite no mar.

Tédio constipando as causas
uma fuga do compromisso
altas doses de mesmice.

Um súbito reavivar das pernas
intenções transbordando panos
ocupando densamente todo ar.

Cores de chamar gestos
essências de movimento
o encontrar dos cantos.

Incontrolável explosão
dos nervos e tecidos
colados às paredes.

Em bons ventos
popa na língua
dentes cravados
alma feminina.

Plexo substantivo
caminhar adjetivo
respirando presente
calma transparente.

Em outono de idéias
folhas secas ao chão
frescor atraz da fonte.

Bolsa para fonemas
lançamentos em paz
saúde da investida.

Uma janela pra rua
pescoço e olhos retos
Outra janela semi-nua
uma imensa vontade ali.

Mísseis de êxtase atirados
desconpensado ato obscuro
alguns metros de dispersão.

Escondido atrás de panos
esperando não armar circo
alimentando os leões magros.

Sete pecados por minuto
nove sessões de olhares
cinco pensamentos vãos
três escárnios destros.

Quase um mês de labuta
duro depenar de contexto
alvenaria insistida em verso
pleno vapor de delírios vãos
consequência inquestionável.

Desativando o peso da manhã
pra preencher formato em dia
escapando através do colchão
dissoluto em café requentado.

Arrastado cama abaixo
em incentivos teimosos
resistindo em sonhar
forçando o apoio.

Desfocando as imagens
restituindo os grãos
respirando os ares
desencapando fio.

24 volts.

Pestanas escancaradas pros raios
captando as tendências a grito
vomitando informalmente
como quem troca o disco.

Recebendo toques instantâneos
destacando das cartilhas a seco
recompondo o reverso em post.

As maravílhas do pisca aos dedos
projeto do pensar simultâneo
construindo projetos de idéia.

O dia pervertendo a noite
Dionísio estudando letras
Amélia tocando viola.

Cruze a linha imaginada
atrocidades logo estimulam
roendo os tímpanos grave
perturbando labirínticas.

Ondulações vão caçoando
botando cara de escárnio
rompem-se destroçando
em zombarias ardilosas.

Pedras balançando
em espera estúpida
impaciência inflada
diversão absurda.

Estica e explode
queima rastro
experimenta.

Condena queda
regula abaixo
remediando.

Casuística usual
sentença acima
veraniando.

Denuncia branda
pena em óleo
rarefeito.

Cidadão acústico sintetizado
arco em dígitos divulgado
categoria expressão
aba espontânea

Na ladeira da preguissa
sábio cantador prega
em voz de veludo
mazela de povo

Como quem rabisca
grafite no muro pintado
ao lado do ponto de ônibus

A serviço da propriedade
em vontade teimosa de ser
fazedor de insubstâncias
por desapego dilacerante

Apaticamente involuntário
imóvel impraticável mudo
afeiçoado ao fluxo atemporal

Desestruturando capacidades
minguando teimoso

cego

Pragas esculhambais
rogas vociferentas
fagulhas verbais
espinhos quentes

Queda fulminante
esconjura pego
torce desfigurante
derruba estrábico

Topeira fingida
Porca cabeluda

Ânimos escaldantes
atravessando a cara
pretensões a vapor
em respingo ácido

Atualizado ao modelo
padrão recorrente
ser corporativo
ócio industrial

Suspiro coletivo
pagamento oasis
Contrato abstrato
você e o sentido

Em óbito do sonho
aterrando a noite
abrindo os músculos
esquentando a prole

Engrenando a atenção
voltando à carne fresca
tomando posse de si
ensimesmando

Marcando os ciclos a ferro
esticando as juntas
resvalando a poesia

Aceitando o cheque
dando o nó na manga
cheirando o café

Lindo com um panamá
bela como a paraguaya
como papaya

Leve com o quê solto
em rítmo com o passo
no compasso

Sonoro como soneto
esperto como selvagem
de peito, cru.

Que não cantava
que não jogava
muito babava
e não dançava

Que não sabia
e não passava
que não valia
mais do que nada

Não tinha ginga
era sem jeito
não podia
não contava

A verdade
ningúem sabia
pois era que eu
bem pouco ouvia

e num segundo
tudo esquecia

Dois lados da moeda:

O entorce do moído
no molde da ladeira
disse de um pronome
que era muito possessivo

Sem dó e sem dados
arriscou um verbo agressivo
terminando com o dedo indicativo

De dentro do parafuso
arriscou uma jogada dupla
acabando de vez com o desentendido

O assunto era transgressivo.

Apenas tempo roçando a nuca
atravessando o oco das horas
permitindo os estímulos do senso
ignorando a rotina da tarde

Só os desenganos entregando linhas
desencantos encadeando sonhos
poucos nomes e algumas ações
descrevendo os vazios da idéia

contruindo sons
diminutos sentidos
sustenidos sutis
graves desconcertos

desfazendo os planos
retalhando os panos
os enganos
danos

Corre o dorso
atingindo o tecido
sensível ao toque
baila trêmulo

cambaleando de baixo
trepidantemente cai
de um lado pro chão
espatifa-se em cacos

terminantemente encerrado
despedaçando puro caos
toda forma de final
pleno nada enfim

O vento roçando as marcas d’água
próprio cimento das horas secando
as voltas ao redor de si engajando
o impulsionar atormentado do eu.

O bloco dos nós cegos
dos dois fingidos
dos sozinhos

O senso empilha as frases
a cabeça chupa os ossos
calmamente despedaça

no tropeço dos dias
nos fins da semana
nas frases da lua
o som da maré

Que se enterra
para sair do chão
subindo ao sabor
de luz pelo ar

Vertical rompe
se torna conceito
dá nuances de cor
protegendo a pele

Quantidade de seca
se arranja em tempo
com velocidade atinge
as camadas da dúvida

Fazendo as curvas
aceitando as setas
respirando forte
consumando
o ser

Caminhava trôpego desavisado
proparoxítonas lhe empestiavam
devorava tudo sem acentuação
esbarrava no canto das frases.

De uma esquina empenou a costela
conteve os ânimos com vírgulas
tropeçou finalmente em aspas
encontrou na fuça a famosa (pedra).

Cancelou todos os apelos informais
buscou refúgio entre parêntesis
acertou os ponteiros em cruz
bateu o ponto virtual justo

foi completando o futuro
preenchendo as linhas
amarrando os gestos
costurando palavras

dedo duro
aponta vôo
em queda

livre plano
devagar só
recebendo

articulando
esquenta
pega

toca

Vem vai
toma tira
Vão vamos
trem tom

Com cuida
sem telha
Come arde
tem sela

Vindo vai
foi fundo
Vê vazar
feira fome

Tema vôo
fede frota
Tem tom
de avião

Pede palavra
muita mão
pondo pézinho

Mamão miúdo
pão pote
minuto molde

pede papa
molha mundo
pondo manga

muito mimo
pisa pano
mamãe papai

lábios prendem
pressão pra dentro
duto vago

doce senso em ação
se protege em agregação
absorvendo o ser

em contato intenso
aquecida relação
extraindo-se

obtendo o dia
garantindo a noite
recebendo graças

Vento entrando denso
luz espatifando quente
tecidos se desamarrando

Garganta vibrando crua
afogando rápido em saliva
tocando instante estranho

Pele acolhe tato
calor manda o recado
seco o ar reprime
o suor recolhe

Partida começa porrada
enfrenta logo patada
espera uma coragem
um abraço e um beijo

No movimento rasgo
atrito estridente
revoluções improváveis

Mais força travada
rompimento máscara emanado
fôlego comprido extenso

Lançando luz imensa
adentrando a massa social
de cavalo branco e punhal
subindo aos ventos

Envolto quente em lençol suave

conformado seguro

levitando líquido

brando só

em som

sem esforço

balançando calmo

pulsando em plena unidade.                                              Pra que sair?